há algo de profundamente familiar nesta fotografia. um braço porque o resto do corpo já se perdeu, uma tentativa de se prender ao que se quer, uma queda livre voluntária, um esconde-esconde infantil e amoroso…

afinal, todos perguntamos “onde estás?” a alguém.