só pela genialidade simples de “alfreda” já me entusiasmei.