vou ler-te contos de fadas, histórias de princesas ao ouvido, mas não te vou ensinar que o amor deve ser para sempre. pode ser, claro. há quem considere isso uma sorte, mas existem também pessoas que gostam de olhar para o passado e ver um mosaico de cores. por isso, não te vou dizer que o amor deve ser para sempre. há pessoas que encaixam de forma simples e completa. há quem se ame com violência sôfrega e curta. não há melhor nem pior. não devem existir convenções no amor, deve ser apenas algo que nos preencha, que nos faça adormecer a sorrir por dentro. a outra pessoa deve ser perfeita, mas a perfeição muitas vezes é finita. pode não ser, claro. mas não há mal nenhum se for.

[*ou filho. claro.]