pergunto-lhe “como andas tu?”

constantemente de coração partido, responde-me.

“coisa de artista…”

oxalá fosse coisa de artista…

“pois… é coisa de pessoa, simplesmente.”