… quando recebemos mensagens de telemóvel padronizadas de pessoas com quem não falamos há um ano.
… quando recebemos mails com árvores de natal e não sabemos de quem são.
… quando entramos em piloto automático de balanço (“é o segundo natal contigo… bolas, é um recorde”)
… quando as colegas de escritório ouvem músicas natalícias sem parar.
… quando tudo parece andar a meio gás. menos os centros comerciais, que se tornam um risco para a saúde física e psicológica de quem apenas precisou de ir lá porque tem o supermercado mais próximo e ficou sem azeite.
… quando a frase que mais se ouve é “pois, nesta época…”.
… quando o jingle bells começa a dar-nos vontade de vomitar. em cima de alguém que o esteja a cantar.
… quando de repente os dias passam a correr.
… quando de repente, puff, acabou.

e olhem que eu até gosto do natal.