Archives for the month of: Maio, 2009

sabem quando morre alguém muito velhinho, uma morte de certa forma anunciada, e vos dizem sem parar “foi melhor assim, foi para um sítio melhor, teve uma vida feliz” e é suposto isso magicamente tirar-vos a dor?

não sei quanto a vocês, mas a mim não me ajuda.

humpf.

… ter tanto trabalho que literalmente se pára meia hora a pensar “mas por onde é que vou começar, caraças…”

… ter saudades da cama. sim sim sim. porque sim. ora.

… comer sortido húngaro e ser a melhor parte do dia.

… pensar repetidamente “mas a minha vida é só isto? mas a minha vida é só isto?”

… ter acessos em que se vai pegar no telemóvel e… pois, ele não está lá. e ter saudades dele, sim, e quê, pronto!

… olhar feita parva para a janela do escritório, da qual só se vêem copas de árvores, e pensar “que altura terão estas árvores…”, equacionando seriamente a hipótese de atirar algum dos coleguinhas lá para cima e ver enquanto caem [tenho uma costela de sádica]

… estar tão tão no lodo mas ver blogues como se não houvesse amanhã [então, e pode mesmo não haver]

… repetir mentalmente, ao som da melodia da rua sésamo “procrastinar… traz um amigo teu…”

… etcetera ad eternum parvoíces. enfim.

eu ligo-me às coisas. sim, é um facto – materialismo, futilidades, memórias, seja o que for, as coisas entram na minha posse e eu apego-me, seja um quadro, um livro, uma série de tv, o meu sono… ou o meu telemóvel. novo. perfeito. roubado. é a crise, o desemprego rebenta as escalas, o trabalho sufoca dois dias depois das férias, eleições europeias às quais ninguém liga, trabalhos do mestrado, seja o que for que possa parecer maior neste momento, é-o, sim. é maior.

mas bolas. roubaram-me memórias.

[class of ’09: always have a backup of your phone list. lição aprendida hoje.]

muito sol, algum bronze, muito descanso, algum (cof cof) álcool, muito namoro, muita (demasiada!) boa comida… não me apetecia nada voltar, mas enfim… amanhã, de novo, a rotina, a tríade dos infernos, as aulas, os trabalhos finais do mestrado, os prazos de entrega aos clientes… mas hoje ainda há descanso! brevemente, fotografias.

I’ve been roaming around
Always looking down
And all I see
Painted faces
Fill the places
I can’t reach

You know
That I could
Use somebody
You know
That I could
Use somebody

Someone like you
And all you know
And how you speak
Countless lovers
Under cover
Of the street

You know
That I could
Use somebody
You know
That I could
Use somebody
Someone like you…

Off in the night
While you live it up
I’m off to sleep
Wagin’ war
To shake the poet
And the beat

I hope it’s gonna
Make you notice
I hope it’s gonna
Make you notice

Someone like me,
Someone like me,
Someone like me, somebody.

Go and let it out…

Someone like you, somebody
Someone like you, somebody

I’ve been roamin’ around
Always lookin’ down at all I see

aqui.

este blog está em pausa temporária (sim, estou cansada o suficiente para um pleonasmo destes – é pleonasmo não é?), a antecipar uma semana de férias, a tentar deixar tudo encaminhado, a ver se pára para cheirar as rosas.

ou o marisco, tanto faz. ou o mar.

uma semana de férias inteirinha para namorar, ver o sol, ir à praia, ler até adormecer, ir ao cinema, ir comer fora, beber coronas e vinho tinto sem pensar “ih bem amanhã tenho que acordar cedo”…

quasequasequase.

:)

Lagos

às vezes não compreendo as pessoas.

é só mesmo isto, não sei que dizer, não compreendo as pessoas. tenho para mim que os escolhem bipolares de propósito.
se calhar eu própria também o sou.
hmmmm.