eu ligo-me às coisas. sim, é um facto – materialismo, futilidades, memórias, seja o que for, as coisas entram na minha posse e eu apego-me, seja um quadro, um livro, uma série de tv, o meu sono… ou o meu telemóvel. novo. perfeito. roubado. é a crise, o desemprego rebenta as escalas, o trabalho sufoca dois dias depois das férias, eleições europeias às quais ninguém liga, trabalhos do mestrado, seja o que for que possa parecer maior neste momento, é-o, sim. é maior.

mas bolas. roubaram-me memórias.

[class of ’09: always have a backup of your phone list. lição aprendida hoje.]