Archives for the month of: Janeiro, 2010

doçura. sábado passado em passeios pelo castelo e por alfama, chá e coisas giras na ladralternativa, jantar na ajuda, mojitos no bairro. e um domingo calmo. sono posto em dia. pesadelos, por agora, afastados. e saldos (também é preciso!).

Anúncios

é claro que, como chicotada que se preze, é precisamente nas alturas em que sinto que estou a emergir que mais me afogo. a noite de insónia que me faz recordar tudo aquilo que perdi nos últimos meses. dois amores. uma vida. enquanto dou voltas e desfaço os lençóis sou inundada por recordações que tenho tentado enterrar (as dele), e por memórias que faço por honrar (as dela). mas como nada fica enterrado para sempre, revolteiam como fantasmas no ar escuro da madrugada.

e acordo de costas para o dia.

então, eu pedi sol e recebi gelo ártico. tudo bem, tudo bem… sou paciente! (posso culpar a minha baixa produtividade na depressão causada pelo frio? posso?)

passou um mês desde a minha avó. ainda tenho vontade de lhe ligar à hora de almoço todos os dias. ainda tenho o instinto de perguntar aos meus pais como ela está, todas as noites. ainda tenho um vazio no peito. ainda me falta o riso genuíno.

coisas para animar as vossas tardes:

garance doré entrevistada pela interview aqui;

o novo iPad (não é o nome mais brilhante, mas…);

o novo álbum da inimitável e linda charlotte gainsbourg.

levantar-me esta manhã foi uma grande vitória. demorei hora e meia, um novo recorde.

estou bastante orgulhosa, por acaso.

por outro lado, a entidade patronal destes lados delineou um dress code (podem desde já esquecer a parte do fato) que implica eu ter necessariamente que comprar roupa (para além de jeans). oh. em coro, vá: ooooh.

weekend in bed, mas não no bom sentido. depois de vomitar todo e qualquer átomo que poderia residir no meu estômago, ficar de cama dois dias sem comer (chá conta, não conta? litros dele?) arrasou-me (e também me deixou sem barriga, algo que agora já posso apreciar!!!!).

basicamente, agora estou a dieta. giro foi a) a minha mãe chatear-me porque eu não sei fazer canja, e b) a minha mãe chatear-me por causa da minha alimentação que, no fundo, é a de um adolescente. mas descobri ontem que foi uma virose, porque não fui a única na agência a ficar assim, e respirei fundo. afinal, não cozinho assim TÃO mal a ponto de me dar uma intoxicação alimentar. a mim própria. i mean…

entretanto, hoje não páro de ouvir a única música de elton john que não me dá vontade de saltar do décimo andar.

fragmentada, e meia disléxica, só me ocorrem factos soltos:

– vi o sol na segunda circular, e apeteceu-me de imediato ir comprar biquínis;

– amanhã ao final do dia se ouvirem um “ppffffffft” de um balão a esvaziar, fui eu;

– morria feliz se fosse fotografada pelo sartorialist e desenhada pela garance doré (sim sim e paz no mundo e filhotes e amor para sempre mas isto também).

vá lá que tenho vinho em casa.

so want to quit my day job and just be, like, totally awesome for a living.

… e agora só me apetece ir às compras, passear, e comer gelados.

coisas giras, preciso de coisas giras. e simples.

regressando ao mundo, a pouco e pouco. contam as pequenas vitórias – como dormir uma noite inteira e lembrar-me apenas dos sonhos e não dos pesadelos.

farta do inverno pela primeira vez na minha vida! sempre adorei o frio, mas este ano parece-me apenas mais uma coisa para eu suportar. a ansiar pela primavera. ou pelo menos para por (ainda não me passou a dislexia) algum sol…

ah, sim – faltava eu falar sobre o novo ano. diria que tendo em conta o final de 2009, só poderá mesmo melhorar, mas já aprendi que dizer isso chama o azar. há sempre forma de piorar.

mas estou esperançada – o que pode ser naif, imbecil, esperançoso, ou simplesmente um reflexo similar ao que as moscas devem ter quando vão de encontro à mesma janela vezes sem conta.