é claro que, como chicotada que se preze, é precisamente nas alturas em que sinto que estou a emergir que mais me afogo. a noite de insónia que me faz recordar tudo aquilo que perdi nos últimos meses. dois amores. uma vida. enquanto dou voltas e desfaço os lençóis sou inundada por recordações que tenho tentado enterrar (as dele), e por memórias que faço por honrar (as dela). mas como nada fica enterrado para sempre, revolteiam como fantasmas no ar escuro da madrugada.

e acordo de costas para o dia.