Archives for the month of: Novembro, 2010

se eu podia ser quem sou sem feriados pelo meio?

não.

Anúncios

de uma boa notícia num dia das mentiras até ao dia em que andei numa pilha de nervos, a ligar imensas vezes, a perguntar se estava tudo bem, com o coração apertado e cheio de esperança, correu um ano rapidinho. coisas bonitas para eles, para ela, para ele, daqui. parabéns, ruindade do meu coração.

 

(ai, fosse eu assim)

(arranja-se sempre espaço no armário)

(e a vista seria…)

*e já não era sem tempo, livra.

dar graças a; agradecer; apreciar – tenho-me esquecido disto (e os americanos hoje inspiraram-me), presa nas coisas que correm mal e que me prendem os ombros ao chão. portanto, dou graças por…

– família e amigos

– a minha casa, os meus livros, o meu sofá, o meu casulo

– manhãs frias de inverno

– chocolate kinder (bom… chocolate no geral)

– o escurinho do cinema

– a vista do topo do décimo andar, da janela da agência, que me ampara nos dias piores (e me inspira a saltar nos mesmo maus! talvez me deva mudar para o rés-do-chão nos próximos tempos…)

– revistas com sugestões de natal e cheirinho a perfume

– calendários do advento (já está quase)

– o final deste ano, e a esperança no próximo (nunca aprendo)

– malhas e meias e luvas e cachecóis quentes

– doces de natal

– voltar a casa para o sorriso da minha mãe e torradas quentes

– horas perdidas de nariz enterrado nos livros

– o cheiro as castanhas

– o “bom dia menina” do senhor do café

– cb :)

é só começarmos a pensar com a ponta dos dedos.

porque nunca é natal sem a mariah e sem os wham, ora.

um dos clássicos. sempre.

no meio do ibuprofeno e do cêgripe só me apetece esta banda sonora e um chocolate quente, um sofá, um bom filme ou um bom livro…

era isto e respirar pelo nariz. isso é que era.

esta foto que já não sei onde vi.

uma holiday season que de repente se adocicou.

isto, que não me tem saído da cabeça.