então: eu fui para moçambique um ano, depois do 25 de abril, e quando voltei andava meio avariado [risos]. e conheci uma rapariga que… bom, que levava de vez em quando a passear, mas eu nunca lhe prometi nada! e ela tinha um mini. e eu na altura sabia pilotar aviões mas não sabia conduzir muito bem e especialmente minis, e vai daí um dia, em são jacinto, espatifei-lhe o carro e pensei “ai meu deus, agora tenho de casar com ela!”. mas depois conheci a tua mãe quando tinha aulas no ensino nocturno na mesma altura que ela e apaixonei-me.

[o meu pai]

eu cá não sabia de nada disso! que fique registado, só depois descobri, e a rapariga era a prima da minha melhor amiga e eu não sabia, tu é que sabes o que lhe prometeste!

[a minha mãe]

olha eu posso ter regressado avariado de moçambique mas depois disse “eu não posso continuar assim” e depois conheci a tua mãe e só me apaixonei por ela!!

[o meu pai]

coitadinha da rapariga, acho que até tinha redecorado o quarto e tudo. mas depois casou muito bem deixa lá! a mãe dela é que ainda entrava em picardias com a minha mãe, porque ela casou com um rico e eu com um pobre! e eu queria lá saber. eu queria lá saber. isso não interessa nada.

[a minha mãe]