– chegar e perder o último metro, à uma da manhã, e vaguear pelas ruas repletas de clubes exclusivos, londrinas de saltos altíssimos, londrinas de saltos altíssimos na mão, e londrinas a caírem de bêbedas com um salto altíssimo na mão e outro no pé;
– descortinar um autocarro para o local desejado e descobrir que as máquinas de bilhetes não aceitam notas; ir, de seguida, e após uma busca infrutífera por pubs numa zona de, como já foi mencionado, clubes exclusivos, limusinas, e carros daqueles de revista, achar boa ideia ir trocar dinheiro com os porteiros do hotel ritz;
– descobrir que um dos porteiros do hotel ritz é português, se chama carlos, e é um amor;
– trocar dinheiro apenas para descobrir que afinal não podemos apanhar aquele autocarro, que nos ia levar para o lado oposto da cidade (obrigada, senhor carlos do ritz); acordar alguém às duas da manhã para atravessarem londres de norte a sul e irem buscar-nos;
– dormir, não sem antes demorar quinze minutos a perceber como funciona a fechadura para entrar em casa;
– demorar quinze minutos a perceber como funciona o chuveiro;
– arriscar o pescoço de dez em dez minutos porque “bolas mas afinal de onde vêm os carros?”;
– ver miró na tate e passear em southbank, a comer uma whoopie pie;
– chorar baba e ranho no les misérables, e ter orgulho nisso;
– ir afogar as lágrimas no de hems e acabar a noite com a dançar o bamboleo, dedicada pelo big mike;
– descobrir que há cerveja de morango e bolas, é boa;
– dormir, não sem antes demorar quinze minutos a tentar abrir a porta de novo;
– estoirar todo o dinheiro em camden e reafirmar que compras em feiras e mercados é do melhor que há;
– matar saudades de fish and chips;
– deitar na relva em st. james park;
– ficar trancada dentro de casa;
– ficar trancada fora de casa;
– chegar ao aeroporto e: ter de fazer duplo check in porque as máquinas inglesas não lêem cedilhas e acentos; correr para apanhar o avião e descobrir que as nossas malas já não cabem nas cabines; apanhar um torcicolo por dormir torta; receber o mau humor do motorista de táxi e o calor de lisboa e vir trabalhar.

directa. ensonada. cansada.

mas feliz.