o outono que há-de vir, isto é, que este verão maduro que veio para ficar ainda se cola à pele.

sempre desdenhei o final do ano a favor desta mudança de estação, um hábito que ficou do regresso às aulas.

este ano não regresso a aulas nenhumas (nem tão cedo, bolas), não recupero nem acabo nenhuma relação, não mudo de casa como no ano passado. este ano a decisão recai a nível laboral. deixar o conforto e começar à procura de algo com mais desafios? aceitar a insatisfação que começou no início do ano e não me largou a não ser quando estive fora a trabalhar? ceder a um conforto do género paz podre mas que muita gente queria ter (eu sei que tenho sorte…) ou aventurar-me? tentar sair vai demorar meses (e meses e meses, se calhar) no estado em que isto está, mas… talvez seja mesmo por aí…

comecei a correr também (e não, não é atrás de autocarros, esses continuo a deixar ir em paz), sinto-me tão bem depois que o horror que passo naquela meia hora há-de valer para alguma coisa.

[e há sempre gente gira a correr, o que ajuda . já alguém me podia ter dito, caraças.]

portanto, conforto ou aventura?