o meu colega diogo preocupava-se. (“eu sei que tens tido azar, mas… queres mesmo mudar de equipa?”)

fui ver uma amiga de uma colega de trabalho de uma amiga (ufa) cantar, acompanhada de um grupo de dança, ao maria lisboa. a primeira coisa que aconteceu ao nosso grupo foi sermos convidadas por dois rapazes para um estranho, populado e barulhento ménage a muitos.

depois, tive de aceitar que um gay muito, muito (mas muito mesmo) giro me “corrigisse” o cabelo. “ouve, não. assim está perfeito, ok? não mexas mais”. bossy.

e depois de tudo o que me disseram, só me resta constatar que não tenho absolutamente nada contra girl+girl, boy+boy, nunca tive, e achei o sítio normalíssimo e não percebo o porquê de tanto aviso na minha direcção.

a única coisa que me chocou foi o que os adolescentes de hoje bebem! caramba, eu sou menina de bairro alto e incógnito e não de discotecas, portanto se calhar estou desfasada da realidade… e ali… a partir das 3h e tal de repente parámos de dançar e só víamos adolescentes novíssimos e bêbedíssimos…

posto isto, vou adoptar um de 18 anos, quando chegar a altura. está decidido.