Archives for the month of: Janeiro, 2012

em dias bons? enamorada por mim, pelas minhas amigas, pela minha família, pelos dias de sol frio e límpido, pelos livros novos que vou acumulando, pelas horas passadas em boa companhia onde a moeda de troca é um riso e um copo de tinto. dia dos namorados (que já começa a ver-se por todo o lado) também é para essas pessoas e momentos. à falta de um, venham os muitos e muitas – amizades, dias de praia de inverno, pratos novos, visitas à família, pernas enroscadas debaixo da manta e uma revista na mão. estou na minha pausa para o chá num dos dias mais caóticos de sempre e resolvi – é um bom dia. é o 3º bom dia seguido. deixei de contar o que veio antes.

 

daqui.

 

primeiro passo hoje para mudar a minha vida: check!

claro que vou demorar meses e meses, e isto se tiver sorte, mas comecei logo em grande, a mandar cv para os big boys e big girls, os top of the pops, e depois é descer em escadinha.

bom, ainda não se paga para sonhar, não é? :) ninguém disse que mudar era fácil e a sorte dá muito trabalho…

 

fui fazer fotossíntese. ai, tão bom. o sol faz maravilhas, o ar salgado na pele… hmmmmm.

e para a semana de trabalho que se avizinha (clicar nas fotos para a fonte)…

 

 

 

 

 

daqui.

ontem, um lanche ajantarado no royale com quem acabou por dar ideias valiosas que podem retirar-me deste aborrecimento (ou dar o primeiro passo).

hoje, uma casa limpa e com o sol em cada poro, cada recanto.

um jantar de amigas e o benfica na tvi.

às vezes, basta isto :)

daqui.

daqui.

o meu trabalho a tempo inteiro.

happy friday!

 

daqui.

imagem roubada com um beijo à cris.

inspiração necessária.

muito.

start doing…

“Merda da Wikipédia! Não faço ideia em que filmes entrou a Lana Turner. Escolhi Lana porque é bonito, tal como Del Rey. Não é uma ‘persona’. Inicialmente fazia arte – fazia os meus vídeos ao som de música clássica. Apenas arranjei um nome para o mundo musical que estava a construir”

(matthew kavan brooks)

o que é que vocês fazem para sair de uma rotina morosa e aborrecida?

hoje demorei uma hora e quinze minutos a sair da cama para ir trabalhar.

estava acordada e de dez em dez minutos carregava no snooze do alarme, virava-me para o outro lado e suspirava. sim, tive de começar a contabilizar esta minha inabilidade para me levantar de manhã nas horas a que marco o despertador, caso contrário já tinha sido despedida por chegar consecutivamente atrasada. gostava de, este ano, sair daqui para outro sítio (e para isso existem cvs, anúncios, candidaturas espontâneas que vão começar a fluir ordeiramente do meu email, em filinha indiana, para caixas de email onde vão ser certamente ignoradas e relegadas para montes de lixo cibernético, mas isso é só o meu eu negativista a falar, e uma costela do meu eu realista a dar de si), mas parece-me que isso vai demorar muitos meses, se é que o vou conseguir sequer.

tendo em conta uma certa falta de fundos que me permitissem tirar férias e ir viajar por aí (que era mesmo aquilo de que precisava), e a minha decisão de não fazer o que costumo sempre fazer nestas alturas (envolver-me com as pessoas erradas e meter-me em histórias que depois não levam a lado nenhum), fico sem ideias. vou ao cinema todos os dias? vou para casa por um caminho diferente de segunda a sexta-feira? inscrevo-me em aulas de alguma coisa? aprendo a costurar? proponho-me a experimentar todos os tintos alentejanos que existem até aos 10€?

como é que eu tiro o pedregulho em cima do peito que me faz ficar amarrada à cama todas as manhãs? como é que eu deixo de ter esta sensação de… é só isto que existe?