e então, numa empresa que aparentemente começou o ano a despedir pessoas, como é que eu me torno indispensável? tenho pensado numa série de ideias (após aquela parte do “trabalhar ainda mais” e “não actualizar o blogue em horário laboral mesmo que isto tenha sido escrito durante a hora de almoço” e ainda “BLOQUEAR o 9gag no meu computador”):

– trazer bolinhos todas as segundas-feiras;
– secretamente colocar álcool nas canecas de chá de toda a gente para ficarem mais felizes (terei azar se os meus colegas se revelarem bêbedos chorões, mas há que arriscar);
– em alternativa, arranjar uma receita de hash brownies e oferecê-los a todos, particularmente às chefias, e especialmente no dia em que passam os cheques;
– chamar cá uma hospedeira gira com um sinal pendurado ao pescoço a dizer “free hugs” e colocá-la à saída do gabinete dos bosses;
– ou, simplesmente, chamar cá um rapazinho catita com um sinal pendurado ao pescoço a dizer “free hugs AND kisses” e pô-lo a circular aqui no open space, que a malta é quase tudo mulherio;
– encher as paredes do escritório de post-its inspiradores;

mais sugestões?